Todo o trabalho partilhado neste blogue pode ser visionado, consultado e utilizado, mas, por favor, não apague os créditos de um trabalho que é meu. E não plagie. O plágio é uma prática muito feia. Se entender contactar-me o meu e-mail é anabelapmatias@gmail.com
Agradeço aos autores dos vídeos a sua partilha, generosa, no Youtube. Sem esta partilha, as minhas postagens ficariam mais pobres.

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

7ª Aula - Ritos Funerários e Arte no Paleolítico

6ª Aula - Ritos Funerários e Arte no Paleolítico


Sumário: Ritos funerários. A arte do Paleolítico: arte rupestre ou parietal e seu significado - pintura, gravura, modelagem e relevo. A arte móvel: o surgimento da escultura; as vénus e o seu significado.

Metas Curriculares

. Domínio

Das sociedades recoletoras às primeiras sociedades civilizações

Subdomínio

Das sociedades recoletoras às primeiras sociedades produtoras

Objetivo

3. Compreender as vivências religiosas e as manifestações artísticas do Homem do Paleolítico

. Descritores de Desempenho

3.1 - Reconhecer a existência no Paleolítico de crenças mágicas e religiosas e de ritos funerários.
3.2 - Indicar possíveis explicações para a religião e para a arte do Paleolítico.
3.3 - Distinguir arte móvel de arte rupestre, referindo exemplos hoje situados nos territórios de alguns países europeus (com destaque para Portugal).

Caros alunos,

na aula de hoje abordamos os ritos funerários que se iniciam a partir do momento em que há depósito intencional de um defunto. O Homem de Neanderthal sepultava os seus mortos com oferendas - flores, adornos, utensílios - e rituais diversos - pintura a ocre vermelho - o que parece comprovar a crença na vida para além da morte a partir deste hominídeo.

A arte do Paleolítico foi o tema que nos ocupou quase toda a aula quatro em que tivemos oportunidade de sistematizar algumas ideias através da apresentação em PowerPoint chamada D - Ritos funerários e arte no Paleolítico.
A arte deste período divide-se em arte móvel - toda a arte composta por pequenas peças que se podem mover - e arte parietal ou rupestre - que pode ser pintura, gravura, modelagemrelevo. Estas técnicas são diferentes entre si, produzindo resultados igualmente diferentes, em todos os casos muito belos.
Até à descoberta das inúmeras gravuras do Vale do Côa pensava-se que esta arte estaria praticamente confinada ao interior das grutas e cavernas só que a descoberta da arte do Côa baralhou os dados e distribuiu-os de novo, com novas informações. Afinal esta arte foi também produzida ao ar livre, como se comprova no Parque Arqueológico de Foz Côa, que guarda um património ímpar, classificado pela UNESCO como Património Mundial da Humanidade.
Quanto à arte móvel, constituída por seixos pintados, objectos de uso decorados, cornos gravados... é certo que demos particular destaque às Vénus, aquelas esculturas pequeninas e anafadas, como um de vós as classificou, e muito bem!, que estarão, por certo, ligadas ao culto da fertilidade feminina.
De facto, as suas características físicas apontam para a mulher grávida de seios cheios, barrigas proeminentes, ancas generosas, rabos salientes, coxas grossas, cabeças, braços e pernas somente apontados e/ou tratados de forma mais displicente ou descuidada.
Lindas, não são? Vocês tiveram oportunidade de as ver, pegar e sentir já que, antes de fazerem o trabalho de pares sobre as características destas esculturas, algumas réplicas circularam pelas vossas mãos. Assim, viram, e não esquecerão, a beleza da Vénus de Laussel, vulgarmente conhecida por Vénus do Corno, obrigada José Miguel Pereira pela dádiva generosa feita pelas tuas mãos!, a Vénus de Vestonice e ainda a incrível peça chamada de Vénus de Brassempouy, tão pequenina obra em tamanho e tão significativa para a Humanidade, uma vez que é a primeira tentativa de reprodução de um rosto que se conhece. Viram ainda a beleza e delicadeza do traço gravado representando um bisonte ferido que, de cabeça voltada sobre o dorso, lambe uma ferida...
Por último falámos das cores - branco, negro, amarelo, vermelho... - como se obtinham na natureza através de pigmentos naturais feitos a partir de rochas transformadas em pós coloridos, do sangue, dos ovos, do carvão - como se aplicavam - com os dedos ou pincéis feitos de crinas, pêlos, fibras vegetais - como se gravava e como toda a arte está ligada ao Homo sapiens sapiens, o duplamente sabedor que a inventou e que nos trouxe aos dias que hoje vivemos.
Sabemos que a aventura continua. E aqui no blogue também se estende e alarga.

Por último, podem fazer a ficha formativa que aqui vos deixo e que se chama C - Paleolítico 3. Se tiverem dificuldades, já sabem, entrem em contacto comigo através do chat do facebook ou através de e-mail.
Espreitem aqui as Grutas de Lascaux e terão acesso a uma visita virtual a este verdadeiro santuário da arte paleolítica. Não percam esta oportunidade já que esta gruta está fechada ao público!
E vejam os vídeos que sobre esta tão interessante temática selecionei para vocês e que vos dará a conhecer uma das catedrais da arte rupestre paleolítica - Altamira.
Ah! E, importante, não se esqueçam dos TPC.
Até à aula sete. Fiquem bem!

Arte - Grutas de Altamira







E sobre as Grutas de Lascaux.



Nota - Aula revista no ano letivo de 2014/2015, atendendo às metas curriculares introduzidas pelo MEC.

10 comentários:

  1. Goste muito desta aula stora.

    Parabéns!!!

    ResponderEliminar
  2. Muitos parabéns, Rui! És o primeiro aluno a comentar aqui neste blogue que é vosso. Muito obrigada palas tuas palavras. Esta aula correu particularmente bem na tua turma, foi bastante divertida e ainda conseguimos gargalhar enquanto dávamos a matéria, que é deveras interessante. espero ter conseguido entusiasmar-vos. Há pouco uma tua colega dizia-me pelo chat do face que já tinha visto os vídeos todos e que os tinha achado espetaculares. Fico contente por esterem a gostar de História. Muito contente.
    Beijinhos e fica bem!

    ResponderEliminar
  3. Boa tarde Anabela. Descobri seu blog através do grupo Professores de História (Facebook) e gostaria de lhe parabenizar pelo trabalho. Tb tenho um blog direcionado ao ensino de História e estou sempre seguindo outros com a mesma proposta.

    ResponderEliminar
  4. Olá professora, estive agora a ver a gruta de Lascaux.. é mesmo emocionante, e ainda com a música de fundo até dá arrepios! No início as paredes parecem esponjosas, e se pararmos a imagem e a colocarmos em cima de algum animal até dá para ver as pinturas que estão atrás. É mesmo espetacular!

    ResponderEliminar
  5. Olá Inês!
    Se um dia tiveres oportunidade de visitares um destes santuários, não a percas. Eu já visitei alguns e digo-te que fiquei com pele de galinha. A arte do Paleolítico é particularmente emocionante, principalmente se pensarmos nas dificuldades que estas comunidades sentiam para assegurar a sua sobrevivência.
    Nunca percas essa capacidade de te emocionares perante a excelência da arte. Não te esqueças do que te vou dizer: vais-te arrepiar perante ela ao longo da tua vida.
    E muito obrigada por partilhares a tua emoção comigo. Para mim é muito importante saber-vos felizes nas aulas de História... e fora delas também... eheheh...
    Beijinhos e fica bem!

    ResponderEliminar
  6. Olá Janaína!
    Agradeço-te as palavras de incentivo ao meu trabalho. Vou retribuir e fazer-me tua seguidora. Assim caminharemos juntas.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  7. Nunca fui, fisicamente, nem a Altamira, nem a Lascaux.:(
    Obrigada pela oportunidade de ficar com pele de galinha e de aprender mais umas coisas. Sim, que professor também é um aluno, desejavelmente bom, para toda a vida.:)

    Bem hajas, professora Anabela

    ResponderEliminar
  8. Obrigada, professora Elsa D! As palavras que aqui me deixas, vindas de ti, são mais saborosas que mel. Um professor deve, durante toda a sua vida profissional, procurar fazer melhor hoje do que ontem. Eu assim faço. É o que me move. Na minha vida profissional e particular. Dá uma trabalheira do catano, nem sempre consigo e frequentemente tenho dissabores e sofro desilusões.
    Mas, para frente é que é caminho!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  9. Minha Querida:

    Abri a janela do teu blog e lá encontrei uma réstia de sol a espreitar por entre as cortinas, tecidas por palavras tão sábias e proferidas por ti.
    Oh Amiga! Quantas saudades!
    Um Feliz Aniversário, uma vida repleta de sucesso e com muita saúde.

    PS.
    Segunda-feira passada, numa aula de História e Geografia de Portugal de uma turma do 5.º ano, a título de consolidação dos conhecimentos sobre o tema A – “As primeiras comunidades recoletoras”, viajamos pelo teu blog História- 7.º ano e vimos os vídeos: Grutas de Lascaux e Cueva de Altimira.
    Os meus pequeninos ficaram fascinados! Mais uns fãs a acrescentar à tua lista!
    Quiseram saber coisas sobre a professora Anabela e com aqueles olhinhos cheios de curiosidade, perguntaram-me:
    - Professora, podemos conhecer a Sr.ª professora Anabela?
    Claro está, que lhes falei do teu amor pela disciplina, dádiva e profissionalismo, em tudo o que fazes.
    Obrigada por seres como és.
    Beijinhos
    Ana Oliveira

    ResponderEliminar
  10. Olha, Amiga, agora é que tu me deixaste de lágrimas nos olhos! Quanta falta fazes na EB 2/3 de Amarante! Quanta falta me fazes! herdei os teus pequeninos... falam constantemente de ti... "Professora, nós fomos alunos da professora Ana Oliveira! Nós adoramos História!"
    Herdar os teus pequenotes é uma tarefa de grande responsabilidade... espero estar à tua altura... eheheh...
    Ah! Tenho uns quantos teus no Clube e já fizemos uma visita de estudo que eles amaram... vai espreitar http://historiaemmovimentoebamarante.blogspot.com/2011/11/clube-de-historia-sessao-de-trabalho.html
    Desejo-te muitas felicidades e excelente trabalho... que eu sei que tu o amas.
    E dá beijinhos meus aos teus pequeninos... eu estou por aqui se eles precisarem de mim...
    Beijinhos, minha Linda, com muitas saudades!

    ResponderEliminar