Todo o trabalho partilhado neste blogue pode ser visionado, consultado e utilizado, mas, por favor, não apague os créditos de um trabalho que é meu. E não plagie. O plágio é uma prática muito feia. Se entender contactar-me o meu e-mail é anabelapmatias@gmail.com
Agradeço aos autores dos vídeos a sua partilha, generosa, no Youtube. Sem esta partilha, as minhas postagens ficariam mais pobres.

sábado, 17 de março de 2012

Portefólios

Capitel Dórico - Portefólios 7º Ano - EB 2/3 de Amarante
Fotografia de Anabela Matias de Magalhães

Portefólios

Hoje partilho a beleza de um capitel dórico pertencente à ordem arquitetónica grega homónima.
Corrigir portefólios e deparar-me com estas belezas torna o meu trabalho mais leve leve...
Obrigada, Aluna Minha!

terça-feira, 6 de março de 2012

Partilha - Portefólio - Objetivos

Partilha - Portefólio - Objetivos

Hoje volto a partilhar com os meus leitores um texto de um portefólio de um aluno que me enche de orgulho. Esta partilha só a faço depois de obtidas as respetivas autorizações: primeiro do seu autor, depois da encarregada de educação do aluno em causa.
Este texto não é novo para mim já que o li aquando da primeira correção, de fio a pavio, dos portefólios de todos os meus alunos no final do 1º período. Entretanto voltei à carga, estamos já na reta final deste 2º período e tenho de analisar os progressos feitos, ou não!, e vai daí voltei a reler esta preciosidade de texto direto, sem subterfúgios, escrito por um aluno que não tem qualquer problema em afirmar ao que vem.
Pegar num portefólio destes, em plena esplanada no meu umbigo inundado de sol, deixou-me, um dia destes, de sorriso rasgado de orelha à orelha.
Obrigada, aluno meu!

Os meus objetivos para a disciplina de História

"Olá! Eu sou o ****** e os meus objetivos para a disciplina de História são obter a nota máxima para ser um exemplo para tudo e todos, pois eu não quero ser só mais um no Mundo, mas sim alguém que possa ser admirado pelos seus feitos e que seja recordado pelo que fez.
Planeio ficar a conhecer mais do já sei pois é para isso que estamos na escola e até lá vou esforçar-me ao máximo para o conseguir.
Vou tentar melhorar e vou convencer-me que eu consigo.
Daqui até lá digo adeus."

segunda-feira, 5 de março de 2012

Esclarecimento de Dúvidas

Esclarecimento de Dúvidas

Meus queridos alunos,

sabeis exatamente onde me encontrar, on ou off-line, e por isso não há razões para permanecerem com dúvidas. Coloquem-nas. Já sabeis que não ficareis sem respostas.
Votos de excelente trabalho para todos!
Votos de excelente preparação para o teste de avaliação... e o segundo período está praticamente no fim... não é incrível?

domingo, 4 de março de 2012

21ª Aula - A Arte Romana

21ª Aula - A Arte Romana

Sumário: A arte romana: pintura, mosaico, escultura e arquitetura.

Iniciámos a aula sobre a arte romana abordando a pintura que chegou até nós em grande número através de inúmeros frescos mais ou menos preservados, alguns excelentemente preservados. Trata-se, normalmente, de pintura polícroma, figurativa, realista, naturalista, expressiva, sóbria, onde estão representadas cenas do quotidiano, históricas, mitológicaspaisagens, muitas vezes enquadradas por apontamentos de decoração geométrica.
O mosaico, realizado a partir das tesselas, técnica em que os romanos foram especialistas, manteve a mesma temática e as mesmas características válidas para a pintura e temos exemplares fabulosos por todos o espaço do antigo império, felizmente também em território português, mais concretamente em Conímbriga.
Quanto à escultura temos uma tipologia dividida em baixos-relevos, bustos, estátuas de corpo inteiro e estátuas equestres. As características são comuns e destacam-se pelo seu realismo, expressividade, sobriedadenaturalidade. Não se esqueçam que, contrariamente ao idealismo grego, os escultores romanos esculpiram verdadeiros retratos psicológicos com magistral mestria, atingindo um nível de qualidade extraordinário. Esculpiam em bronze mas o material preferido era o mármore.
Relativamente à arquitetura, de nítida influência grega, os romanos usaram as ordens gregas a que acrescentaram a ordem compósita, combinação da coríntia com a jónica, usaram também o frontão triangular, mas foram capazes de inovar usando elementos arquitetónicos como o arco de volta perfeita, a abóbada de berço, a cúpula, o frontão semicircular.
A tipologia é vasta e controem aquedutos, arcos de triunfo, termas, templos, basílicas, teatros, anfiteatros, pontes... sendo, comprovadamente, excelentes engenheiros. Quanto às características podemos apresentar a robustez, a durabilidade, a monumentalidade, a funcionalidade, daí muitas destas construções ainda estarem em uso nos dias de hoje.
Os romanos eram, comprovadamente, homens muito pragmáticos, muito práticos, e isso está patente no imenso,valioso e diverso património artístico romano chegado até aos nossos dias.

Podeis consultar a apresentação em PowerPoint já explorada em contexto de sala de aula em Q - A arte romana - pintura, mosaico, escultura, arquitetura e podeis fazer a ficha formativa O - Roma 3.

Podeis ainda ver aqui uma reconstrução em 3D do Coliseu de Roma.



E aqui reconstruções de vários edifícios emblemáticos romanos, em 3D.

Este vídeo, a Hispania Romana, faz-nos já a ponte para as invasões bárbaras, matéria que abordaremos logo a seguir ao cristianismo.



E agora um tour virtual por Roma, capital do Império Romano.
Que cidade fabulosa...


sábado, 3 de março de 2012

20ª Aula - Roma - Sociedade, Instituições Políticas e Religião

20ª Aula - Roma - Sociedade, Instituições Políticas e Religião

Sumário: A sociedade romana. As instituições políticas. A religião

A sociedade romana dividia-se em privilegiados, de que faziam parte os membros que integravam a ordem senatorial composta pelos mais ricos, grandes proprietários de terras que ocupavam os mais altos cargos da administração e do exército e que tinham de possuir uma fortuna superior a um milhão de sestércios, só eles é que podiam ser nomeados para o senado e os membros da ordem equestre, os cavaleiros, com uma fortuna superior a 400 mil sestércios, dedicavam-se ao comércio e ocupavam cargos intermédios na administração. Temos ainda os não privilegiados, de longe a maioria, que integrava a plebe urbana e rural, cidadãos, homens livres, que podiam ser pequenos proprietários de terras, camponeses, artesãos, pequenos comerciantes ou indigentes que viviam na dependência de famílias ricas ou mesmo do imperador e temos ainda os libertos, antigos escravos libertados cujos filhos adquiriam o direito de cidadania e eram livres, é claro, e os escravos que eram propriedade de um dono e eram considerados coisas.
A partir de 27 a. C surge uma nova forma de governo que sucede à República - o Império. O primeiro imperador é Octávio César Augusto e os imperadores têm poderes alargados - políticos, militares, financeiros, judiciais e religiosos e são divinizados após a morte.
Quanto à religião, os romanos são politeístas, numa próxima aula vamos ver a implantação do Cristianismo no império romano, adoram muitos deuses e têm até muita facilidade em incorporar cultos dos povos conquistados, dos gregos, dos egípcios, até dos persas. Os romanos praticam o culto doméstico dirigido pelo pater famílias, o culto público, dirigido por sacerdotes ou sacerdotisas, praticam a adivinhação através da observação das vísceras dos animais, faziam promessas e sacrifícios aos deuses.
A herança romana está bem presente ainda hoje na língua que falamos, o português, e que derivada do latim, assim como o francês, o romeno, o espanhol e o italiano, no direito de muitos países ocidentais que derivam do direito romano, nas técnicas construtivas que nos influenciaram até aos dias de hoje em que utilizamos elementos arquitetónicos usados pelos romanos como o arco de volta perfeita, a abóbada de berço e a  cúpula, está presente no urbanismo, na arte, no cristianismo, na numeração romana que ainda hoje é usada.

Deixo-vos o link para a apresentação em PowerPoint intitulada P - Sociedade, instituições políticas e religião e ainda para a ficha formativa que podeis resolver em N - Roma 2.

E deixo-vos ainda uns vídeos que complementarão, por certo, esta aula.
O primeiro é uma fabulosa visita virtual a uma casa romana. Não deixem de ver.



E deixo-vos ainda um segundo vídeo, curtinho, que nos mostra uma reconstrução virtual de Pompeia. Não percam!



Bom trabalho!

sexta-feira, 2 de março de 2012

19ª Aula - Império Romano, Romanização e Economia

19ª Aula - Império Romano, Romanização e Economia

Sumário: A formação do Império Romano e a romanização dos povos conquistados. A economia romana.

A cidade de Roma foi fundada pelos Latinos, na margem direita do rio Tibre, na península Itálica, em meados do século VIII.
Inicialmente era um pobre povoado, habitado por agricultores e criadores de gado que, de 616 a 509 a. C., vão ser ocupados e dominados pelos Etruscos até que os Latinos expulsam os Etruscos e iniciam a sua própria expansão, conquistando os seus vizinhos da península itálica - Etruscos, Úmbrios, Samnitas, Sabinos, prosseguindo, imparáveis, pela restante Europa, Norte de África e Ásia até estabilizarem o império no século II, quando este conheceu a sua máxima extensão, e ia até à Bretanha, e rodeava todo o mar Mediterrâneo, tendo-o transformado num autêntico lago romano, no mare nostrum.
As motivações para a expansão foram muitas e variadas, desde logo por razões de segurança que se ligam ao ataque ser a melhor defesa. De facto, se os romanos passassem a dominadores não voltariam a ser povo dominado. Acrescente-se ainda as motivações sociais e a ambição dos chefes, decorrentes de novos cargos e da honra e glória resultantes dos feitos de conquista e do exercício de determinadas funções de chefia. E há ainda motivações económicas que resultam dos saques, dos impostos lançados sobre os povos dominados, dos prisioneiros de guerra que se transformam em escravos, dos novos mercados que se abrem e com eles mais oportunidades de negócio, da maior quantidade de terras férteis para os colonos romanos.
É claro que vencedores e vencidos vêem esta conquista e ocupação de forma muito diferente, já o sabeis, analisámos documentos neste sentido durante a aula já leccionada sobre esta matéria.
Os romanos vão romanizar os povos conquistados, ou seja, "tornar romanos" influenciando-os através do latim, do direito romano, através do urbanismo, das técnicas de construção, através da fabulosa rede viária construída por todo o império, através da cultura, da arte, da ciência, do estilo de vida.
É claro, já o sabeis, a romanização teve muito mais êxito a ocidente do que a oriente, já que aqui se concentravam civilizações muito fortes e poderosas e por isso mais resistentes à romanização.
Durante séculos, os vários povos que integravam o Império viveram a chamada Pax Romana, ou seja, viviam em paz, mas sendo que esta paz era armada, forçada, vigiada de perto pelas legiões, pelos militares que a impunham com a sua presença.
Quanto à economia ela era urbana, comercial e monetária já que a vida dentro do império se concentrava nas urbes, cidades, onde se praticava um intenso comércio com produtos trocados por todo o império.
Dentro do império praticava-se a agricultura, a criação de gado, a exploração mineira, a extração de sal, a pesca, fabricava-se artesanato muito diverso, e, claro está, praticava-se o comércio muito facilitado pela rede de estradas, pela navegação fluvial e marítima e pela enorme circulação de moeda.

A apresentação em PowerPoint que já explorámos na sala de aula está disponível com o nome O - O Império Romano, Romanização e Economia e a ficha formativa está em M - Roma 1.
Estudem. Procurem resolver os exercícios do livro e as fichas formativas.
Se surgir qualquer dúvida, sabeis onde me encontrar.

Deixo-vos com a reconstituição da cidade de Ammaia, na Lusitânia. Visitem-na! Está à distância de dois cliques.



E ainda a reconstituição da magnífica cidade de Roma.