Todo o trabalho partilhado neste blogue pode ser visionado, consultado e utilizado, mas, por favor, não apague os créditos de um trabalho que é meu. E não plagie. O plágio é uma prática muito feia. Se entender contactar-me o meu e-mail é anabelapmatias@gmail.com
Agradeço aos autores dos vídeos a sua partilha, generosa, no Youtube. Sem esta partilha, as minhas postagens ficariam mais pobres.

domingo, 28 de abril de 2013

23ª Aula - A Revolução de 1820 e o Triunfo do Liberalismo

23ª Aula - A Revolução de 1820 e o Triunfo do Liberalismo

Sumário: A revolução de 1820. A independência do Brasil. A guerra civil e o triunfo da monarquia constitucional.

Por agora deixo-vos o link para a minha página de recursos onde está publicada a apresentação em PowerPoint sobre esta matéria com o nome Z - A Revolução de 1820.

Deixo-vos ainda um vídeo que faz uma excelente síntese sobre a matéria e que vos pode ajudar a sistematizar e a compreender esta aula já leccionada. Não deixem de o ver... as memórias visuais e auditivas são importantes...


22º Aula - A Revolução Francesa - Parte II

22ª Aula - A Revolução Francesa - Parte II

Sumário: A Revolução Francesa - continuação. Etapas do poder de Napoleão: do consulado ao império. Consequências da Revolução Francesa.

Aproveito para vos deixar o link para a apresentação em PowerPoint intitulada X - A Revolução Francesa - Parte II.

Bom  trabalho!

sexta-feira, 19 de abril de 2013

21ª Aula - A Revolução Francesa - Parte I

21ª Aula - A Revolução Francesa - Parte I

Sumário: A Revolução Francesa: a França antes da revolução; a reunião dos Estados Gerais. Do poder popular ao triunfo da burguesia: a Convenção e o Diretório.

Por agora deixo-vos o link para a apresentação em PowerPoint que pode ser consultada em V - A Revolução Francesa - I.

Partilho ainda um documentário muito interessante, do Canal História, sobre esta temática.
Vejam-no. Vão ver que será uma preciosa ajuda!


quarta-feira, 10 de abril de 2013

20ª Aula - A Independência dos EUA

20ª Aula - A Independência dos EUA

Sumário: O nascimento dos EUA: a revolta das colónias, a declaração de independência e a constituição dos Estados Unidos da América de 1787.

Todos estamos recordados que à data da chegada de Cristóvão Colombo à América, em finais do século XV, mais concretamente em1492, o continente americano era já habitado por inúmeras tribos índias. Inicialmente, os colonos europeus tiveram bastantes dificuldades em se fixarem no novo continente, nomeadamente na América do Norte, até pelos ataques dos índios, e só começaram a chegar a esta região, em maior número, a partir do século XVII, vindos da Inglaterra, Escócia e Irlanda.
Em meados do século XVIII já existiam 13 colónias inglesas, todas na costa este, independentes entre si mas ligadas por uma língua comum, o inglês, uma religião comum, o protestantismo, muito embora as colónias do sul fossem mais rurais, com extensas propriedades, as plantações, trabalhadas com recurso à exploração da mão-de-obra escrava e as colónias do norte estivessem mais ligadas à atividade comercial e industrial.
De qualquer modo, existia nas colónias uma burguesia muito empreendedora que se opunha ao Regime de Exclusivo Colonial que obrigava os colonos a só negociarem com Inglaterra, a metrópole.
Ora, os colonos queriam estabelecer outras relações comerciais com outros países e, assim, libertarem-se do espartilho inglês. É claro que havia colonos americanos a contrabandear com África e Antilhas o que lhes permitiu enriquecer e ganhar poder económico. Muitos colonos adotaram os ideais iluministas e aspiravam a uma maior autonomia.
Entretanto a Inglaterra envolveu-se numa guerra com a França - a Guerra dos Sete Anos, travada pela posse das colónias americanas - e, precisando de verbas para fazer face às despesas provocadas pelo conflito, lançou uma série de impostos - lei do açúcar, lei do selo, lei do chá - sobre as colónias que, devido à reação dos colonos, acabou por retirar, com exceção do imposto sobre o chá. Não se esqueçam que quem decidia estas medidas era o parlamento inglês onde não tinha assento nem um único representante das colónias.
Em dezembro de 1773 um grupo de colonos disfarçados de índios destruiu, deitando à água, os carregamentos de chá de três navios ingleses atracados no porto de Boston. Este episódio marca o início da Revolução Americana e ficou conhecido como o Boston Tea Party.
A Inglaterra reage, manda fechar o porto de Boston, destaca para a cidade tropas para controlar a revolta, que vai alastrando a outros pontos das colónias, impõe uma indemnização pelos carregamentos de chá destruídos.
Em 1775 os representantes das treze colónias reúnem-se em congresso, o segundo realizado na cidade de Filadélfia já que o primeiro aconteceu em 1774 ainda não com intenções separatistas, e decidem criar um exército comum comandado por George Washington.
A 4 de julho de 1776 o Congresso volta a reunir e proclama a Independência dos Estados Unidos da América através da Declaração de Independência dos Estados Unidos da América redigida por Thomas Jefferson, independência esta que só vai ser reconhecida pelos ingleses em 1783, após duríssimos combates entre os dois exércitos e em que a fação independentista é ajudada pela França e por Espanha. Este facto serviria de mote e exemplo para outras lutas pela independência que se seguiriam e para outras revoluções liberais.
Em 17 de setembro de 1787 foi aprovada a primeira constituição dos EUA imbuída dos ideais iluministas e que consagrou uma república democrática federativa, a separação dos poderes - legislativo que competia ao Congresso e ao Senado, executivo que competia ao Presidente e judicial que competia aos Tribunais - consagrou ainda a separação entre Igreja e Estado, sendo os EUA um estado laico, e garantiu a liberdade e direitos dos cidadãos perante a lei... se bem que ainda com muitas reservas face aos não direitos das mulheres e dos negros, por exemplo.

A apresentação em PowerPoint intitulada U - A Independência dos EUA já explorada em contexto de sala de aula já está publicada na minha página de recursos a que podeis aceder clicando sobre o link a vermelho.

Deixo-vos também um resumo da história deste período, encontrado no Youtube. De bónus, ainda levam uma música no final... caso gostem, caso vos apeteça escutá-la.

Votos de excelente trabalho!


terça-feira, 2 de abril de 2013

19ª Aula - O Barroco


Igreja de S. Domingos - S. Gonçalo - Amarante
Fotografias de Anabela Matias de Magalhães
 
19ª Aula - O Barroco - A Aula do Professor Miguel Moreira

É com imensa alegria que hoje publico a Aula do Professor Miguel Moreira subordinada ao tema "O Barroco".

Agradecida, Miguel Moreira, por aceitares os meus desafios. O círculo, este, está agora fechado. Mas nós somos capazes de desenhar outros...

O BARROCO
Toda a expressão artística é reflexo das dinâmicas sociais e um produto mental e cultural da época histórica em que surge. O Barroco não é exceção. Iniciada nos finais do século XVI e desenvolvida ao longo dos séculos XVII e XVIII, a arte barroca surge num ambiente dominado pela consolidação das grandes monarquias absolutas, pelo movimento da contrarreforma da Igreja Católica e num mundo abalado por todo o tipo de guerras, epidemias e convulsões sociais. Neste contexto, o barroco é aproveitado tanto pelos monarcas absolutistas para valorizarem a sua imagem e ostentarem o seu poder, mandando construir imponentes e luxuosas cortes, como pela Igreja Católica empenhada em seduzir os crentes que, sobretudo nos países nórdicos, aderiam em massa ao protestantismo. A arte é, desta forma, instrumentalizada e manipulada, por papas e reis, com o objetivo de persuadir, deslumbrar e seduzir.
Nascido em Itália, nos finais do século XVI, a partir de formas maneiristas, o Barroco rapidamente se espalhou a todos os países da Europa do sul, atingindo, também, as colónias espanholas e portuguesas da América Latina e do sul da Ásia.
Roma, sede do Papado, representava, também, o triunfo do catolicismo face à Reforma Protestante. Com esse objetivo, o Papa Sisto V (1585-1590) criou uma cidade-espetáculo na qual a linguagem barroca respondia plenamente aos desígnios do poder papal e das orientações tridentinas. Com intervenções de arquitetos como Bernini e Barromini, as novas construções, distantes da ordem, do equilíbrio e da regularidade da composição renascentista, experimentavam jogos de massas e de espaços, formas onduladas e dinâmicas e uma decoração exuberante e cenográfica, com o único propósito de deslumbrar o observador e despertar-lhe fortes impactos emocionais.
Apesar das diferentes interpretações que se verificaram nos diferentes países e regiões, determinadas por diferentes contextos políticos, religiosos e culturais, este estilo apresentou algumas características comuns. Assim, os arquitetos barrocos, entendendo o edifício de forma integrada, como se fosse uma grande escultura, única e indivisível, davam preferência às linhas curvas, em formas côncavas ou convexas, explorando os efeitos contrastantes de luz e de sombra, na procura do movimento e do infinito. Os portais, normalmente divididos por andares, com as suas colunas torsas ou pseudo-salomónicas, os contrastes entre cheios e vazios, os entablamentos interrompidos e irregulares, as imagens inseridas nos seus nichos, os frontões de linhas curvas e uma decoração exuberante, eram pensados e construídos no quadro de uma vivência e de uma sensibilidade vocacionadas para a teatralidade, capazes de atrair pelo olhar, de persuadir pela beleza, de emocionar e de envolver os fiéis.
Mas foi nos interiores que o barroco mais impressionou. O Barroco, numa espécie de “horror pelo vazio”, cobriu os interiores de frescos, de telas, de mármores policromados, de esculturas, de retábulos e de talha dourada, contribuindo desta forma para a profusão da cor e para o prazer dos sentidos.
Ora, foi precisamente a talha dourada a mais genuína e característica arte do Barroco em Portugal. Muito prolixa e exuberante, a talha revestiu altares, paredes, tetos, órgãos, púlpitos, cadeirais, balaustradas, arcos, frisos, cornijas, janelas e sanefas. A talha “forrou de ouro” as igrejas. E, “Se a Igreja é a imagem do Céu sobre a Terra, como não ornamenta-la com o que há de mais precioso?” pergunta René Huyghe, em “Sentido e Destino da Arte”.
A talha dourada é uma técnica escultórica em que a madeira é esculpida e, posteriormente, revestida por uma fina película de ouro. A sua execução implicava a participação de vários artistas: o arquiteto, que fazia o desenho, o entalhador, que esculpia a madeira, o ensamblador, que preparava a madeira para receber o ouro e, por fim, o dourador, que aplicava o ouro.
Depois de concluídas, as obras de talha dourada, sobretudo os retábulos, codificam uma linguagem simbólica e alegórica que ultrapassa a sua função meramente decorativa ou cenográfica e assumem um papel ativo na interação com o observador. Nesta pedagogia formal e cenográfica, o brilho e a cor do ouro desempenhavam um papel determinante, não só pelo seu impacto visual, mas especialmente pelo seu simbolismo, pois imprimiam essência divina ao espaço, numa espécie de prefiguração da esfera celestial. Um apelo mais aos meios de perceção sensorial, imaginativa e afetiva dos fiéis, do que às suas faculdades intelectuais, procurando, assim, através da eloquência das formas e das cores, envolver e persuadir sensorial e emocionalmente os fiéis, sobretudo as massas populares.
Na evolução da talha portuguesa, podemos distinguir três fases:
O Estilo Nacional, com retábulos compostos de uma tribuna com o seu trono piramidal, ladeado por colunas pseudo-salomónicas de fuste espiralado que sustentam arcos concêntricos. Como motivos ornamentais, quase de vulto perfeito, apresentam-se folhas de videira e cachos de uvas (alusão à Eucaristia), meninos e querubins, pequenos pássaros (fénix, símbolo da ressurreição) e folhas de acanto. Dos lados, a composição é rematada por pilastras, mísulas e outros elementos que enfatizam a estrutura retabular.
O Estilo Joanino (a talha atinge o seu apogeu na época de D. João V), com retábulos mais elevados, baldaquinos que substituem os arcos concêntricos e colunas salomónicas. O trono mantém o lugar cimeiro, agora tratado com mais aparato. A decoração inclui novos elementos: grinaldas, palmas, conchas, medalhões, festões, volutas com cabeças de querubins e figuras angélicas ou alegóricas. Para o esquema teatral muito contribuem as imagens inseridas nos seus nichos, os atlantes na base dos retábulos, cortinados nos remates puxados por anjos, sanefas que coroam o arco cruzeiro.
O Estilo Rocaille ou Rococó, termo de origem francesa que designava um tipo de ornamentação inspirada nas fontes e grutas artificiais dos jardins, baseada na imitação de rochas, conchas, flores e outros elementos naturais. Na talha, a sua linguagem decorativa é feita por formas flamejantes, folhas estilizadas, curvas e contracurvas, enlaçamentos de volutas, ornatos complicados e de grande requinte, inseridos num fundo com cores esbatidas a lembrar influências orientais.
Mas o Barroco não foi apenas um estilo arquitetónico. Ele influenciou transversalmente todas as formas de expressão artística e cultural da sua época: a escultura, a pintura, o mobiliário, a literatura, a música, a dança…
A escultura, associada à arquitetura ou à pintura, colocada isoladamente em praças e jardins, invadiu tudo, encontrando-se por todo o lado. Caracteriza-se pelo rigor da execução técnica, pela exploração das capacidades expressivas das personagens ou cenas, conseguida pela acentuação dos gestos e das expressões faciais e corporais, pela preferência de representações em movimento, pela utilização de panejamentos volumosos, agitados e decompostos, e pelo sentido cénico das obras.
Tal como a arquitetura e a escultura, também a pintura teve como objetivo o deslumbramento, a surpresa, a encenação e a luz, integrando um “espetáculo” que se queria total. A pintura barroca jogou com as formas fluidas e ondulantes, aplicou um animado cromatismo e acentuou os contrastes de luz e sombra, aumentando a sensação de realismo. Acentuou, ainda, a sensação de profundidade, sobretudo com a técnica “trompe l’oeil”, aplicada em paredes e tetos, o que constitui uma das mais originais contribuições do Barroco.
A literatura barroca dedicou um profundo cuidado à forma e ao virtuosismo linguístico no intuito de maravilhar e convencer o leitor, com o uso constante de figuras de linguagem e outros artifícios retóricos, como a metáfora, a elipse, a antítese, o paradoxo e a hipérbole, com grande atenção ao detalhe e à ornamentação como partes essenciais do discurso e como formas de demonstrar erudição e bom gosto.
Expressão, por excelência, dos sentidos e das emoções intensas, foi na música, no teatro e na ópera que a cultura barroca alcançou todo o seu esplendor. O gosto pelo espetáculo, pela cenografia, pela sumptuosidade dos figurantes, pela associação da música com a dança, com o canto e com a representação dramática deram origem a um género musical tipicamente novo – a ópera.
Concluindo, o Barroco foi, por excelência, uma arte de imagens, uma arte de cenografia, no qual todas as expressões artísticas concorrem para um único objetivo: produzir espetáculo.
Miguel Moreira, Abril de 2013
Nota - Esta aula foi  inicialmente publicada no meu outro blogue intitulado "História em Movimento".

Acrescento um vídeo que faz uma excelente síntese sobre o Barroco. Está em espanhol, o que para as turmas que aprendem esta língua constitui um excelente exercício... para as outras também não levantará, por certo, qualquer problema e compreenderão tudo o que aqui é explicado.


Por último, deixo-vos um link que vos levará a uma das mais belas igrejas barrocas do mundo: Igreja de S. Francisco, em S. Salvador da Bahia, no Brasil. Clique aqui.
Espero que gostem da viagem...